Fermentões recebe a Taça de Portugal e o Campeonato do Minho de Ciclocrosse

A freguesia de Fermentões recebe no dia 3 de Novembro a primeira prova da Taça de Portugal e o Campeonato do Minho de Ciclocrosse. O Ciclocrosse de Fermentões será disputado no centro da freguesia vimaranense, mais concretamente na Quinta Loureiro Velho que em Janeiro de 2012 acolheu o Campeonato Nacional de Ciclocrosse.

ACM - Associação de Ciclismo do Minho @ 21-10-2013 12:02:27

A Quinta Loureiro Velho integra o Centro Equestre Loureiro Velho em cuja área e em terrenos contíguos será delineado o circuito que consagrará os Campeões do Minho e os vencedores da primeira de cinco etapas da Taça de Portugal. A entrada do público será gratuita.

Organizada conjuntamente pela Associação de Ciclismo do Minho e pela Federação Portuguesa de Ciclismo a iniciativa será aberta à participação de atletas de competição e da vertente de lazer/promoção.

O programa do Ciclocrosse de Fermentões começará, às 10 horas, com a corrida de veteranos, iniciando-se uma hora depois a prova para atletas femininas (todas as categorias), cadetes masculinos e Promoção/Open (atletas federados na vertente de lazer - betetistas e cicloturistas - e não federados).

A prova-rainha, que juntará os atletas elite, sub-23 e juniores masculinos começará às 12 horas, estando a cerimónia protocolar e de entrega de prémios prevista para as 13h15.

A participação no Ciclocrosse de Fermentões é gratuita para atletas federados (competição e lazer) e tem o custo de 7,5 euros para não federados (inscrições no site da Federação Portuguesa de Ciclismo www.uvp-fpc.pt).

Vítor Santos (elites), Isabel Caetano (femininos), Roberto Ferreira (Sub 23), o minhoto João Pereira (juniores), António Rocha (cadetes), Marco Sousa (masters A) e António Sousa (masters B) são os atuais Campeões Nacionais.

Os Campeões do Minho de Ciclocrosse em título são Vítor Santos (elites), João Pereira (juniores), Filipe Santos (cadetes), Rogério Matos (master 30), Rodolfo Lopes (master 40) e José Reis (master 50) que venceram a prova disputada em Avidos (Vila Nova de Famalicão) em Dezembro de 2012.

O Ciclocrosse ("corta-mato em bicicleta") é uma vertente de inverno do ciclismo disputada em circuitos com obstáculos (naturais ou artificiais) que por vezes obrigam os atletas a desmontar e a carregar a bicicleta. Exigentes dos pontos de vista técnico e físico, os percursos de Ciclocrosse integram zonas de terra, lama, areia e até estrada.

Com forte implantação na Europa e bastante praticada em Portugal até inícios da década de 90, o Ciclocrosse está a ressurgir no nosso País por força da aposta da Federação Portuguesa de Ciclismo neste vertente do ciclismo.

O Ciclocrosse de Fermentões organizado pela Associação de Ciclismo do Minho e pela Federação Portuguesa de Ciclismo tem o apoio das seguintes entidades: Junta de Freguesia de Fermentões, Quinta Loureiro Velho, Centro Equestre Loureiro Velho, IPDJ, Casa do Povo de Fermentões, Reclamos Vitória, Cision, Arrecadações da Quintã, Embalagens Gonçalves, Ciclismo + TV (televisão oficial da ACM) e Bike Magazine.

Fermentões é uma extensa freguesia do concelho de Guimarães, localizada a Noroeste da sede concelhia, bem encostada à cidade, de tal forma que é já praticamente parte integrante da urbe. É atravessada pelo rio Selho, sobre o qual existem diversas pontes, algumas das quais bastantes antigas.

O topónimo Fermentões, é um derivado de "Fermentelos", que por sua vez deriva do latim medieval "foramontanelos", designação dada aos terrenos que pagavam um pequeno foro ao senhorio.

Apesar de cada vez mais ser absorvida em termos urbanísticos pelo crescimento da cidade, Fermentões mantém ainda grandes espaços verdes e uma razoável zona de mata, com o seu ponto mais alto no Monte do Talegre.

A Freguesia teve outrora grande atividade agrícola, daí a existência ainda hoje de vários moinhos ao longo do rio. No entanto, atualmente é essencialmente uma zona residencial da cidade, com algumas unidades industriais, principalmente ligadas às cutelarias, curtumes, têxteis e plásticos, sendo fortemente dominada pela atividade de comércio e serviços.

A urbanização tem tomado conta de grande parte da freguesia mas, no entanto, as características rurais ainda se conhecem à medida que se vai descobrindo a freguesia. A agricultura é uma atividade básica da economia e a indústria tem sido implantada aos poucos, conferindo-lhe novas estruturas.

Fermentões não esqueceu as tradições e, como prova de tal, tem ativo o Museu da Agricultura que retrata a lavoura desde outros tempos até aos dias de hoje.

A região de Guimarães sempre gozou da fama e qualidade dos seus linhos, para as quais Fermentões sempre contribuiu. Os campos dividiam-se, ate há bem poucos anos, entre as grandes sementeiras de linho e a vinha, uma vez que, também ali, o vinho verde é de boa casta e muito produzido. Os famosos " Moinhos de Fermentões", de traça caracteristicamente nortenha, os rodízios de moinhos hidráulicos, que ainda hoje se podem apreciar, povoavam o rio e ocupavam parte da sua população.

Talvez pela riqueza da sua terra e pela proximidade da urbe, Fermentões primou também, desde há séculos, pelas inúmeras casas solarengas, de gente muito fidalga, que se encontram espalhadas pela freguesia. Entre outras, a Casa de Caneiros; a Casa da Covilhã, de João Afonso Ribeiro, O Golias, vassalo e D. João I; e o Casal de Minotes, foreiro ao Mosteiro de S. Domingos. Outro proprietário de terras nesta freguesia, durante a Idade Média, foi Pelágio Gomes, cognominado " Cecus", que em seu testemunho feito em 1182, deixa à Igreja de Santa Maria de Guimarães, os seus moinhos de Fervenças e Caneiros.

ACM - Associação de Ciclismo do Minho @ 21-10-2013 12:02:27


Clique aqui para ver mais sobre: Ciclismo, Desporto, Competições e Classificações