João Almeida décimo no contrarrelógio do Europeu de estrada

Os corredores portugueses tiveram um desempenho de grande qualidade no contrarrelógio de elite do Campeonato da Europa de Estrada, disputado em Trento, Itália. João Almeida foi o décimo classificado e Rafael Reis terminou no 14.º lugar.

propedalar.com @ 10-9-2021 09:21:00

Os 22,4 quilómetros, totalmente planos, foram percorridos sob um calor tórrido. Os dois representantes de Portugal cumpriram as expectativas e classificaram-se entre os melhores, fazendo uma gestão correta do esforço, embora sentido alguma quebra na parte final.

João Almeida cruzou a meta ao fim de 25’46’’07, tendo pedalado à média de 52,16 km/h. Este registo valeu ao caldense o décimo lugar, cumprindo a meta de ficar entre os dez melhores da Europa neste contrarrelógio. Almeida gastou mais 1’16’’22 do que o vencedor, o suíço Stefan Küng, que revalidou o título graças ao tempo-canhão de 24’29’’85 (média de 54,86 km/h).

“Sabia que os adversários estavam muito fortes. Sei também que sou bom no contrarrelógio, mas favorecem-me mais os contrarrelógios inseridos em provas por etapas. Penso que fiz um bom desempenho e estou contente com a minha prestação. Hoje foi um bom teste para domingo. Deu para ‘abrir o motor’, como se costuma dizer. Temos uma equipa muito forte para a prova de fundo e acho que podemos trabalhar muito bem em equipa”, reagiu João Almeida ao resultado do contrarrelógio, já de olhos postos no próximo objetivo.


Rafael Reis

Rafael Reis

Rafael Reis também se bateu com os melhores, ficando apenas a 17 segundos de entrar n top 10. Completou o contrarrelógio em 26’03’’19, o que lhe valeu a 14.ª posição, o melhor resultado do palmelense em Europeus de elite. O corredor da Efapel foi o segundo melhor entre os ciclistas que não representam formações do WorldTour, 4 segundos mais lento do que o belga Rune Herregodts, da ProTeam Sport Vlaanderen-Baloise.

“Para fazer um bom resultado, sabia que tinha de ir um bocadinho a mais do que o meu normal. A este nível, perante os melhores do mundo, não há alternativa. Era preciso arriscar e ter esperança de aguentar até final. Não aconteceu totalmente. Na parte final tive de levantar um pouco o pé, porque já não estava a aguentar o ritmo. Fico satisfeito por ter participado e com o desempenho”, explicou Rafael Reis.


Fábio Fernandes

Fábio Fernandes

O selecionador nacional, José Poeira, ficou muito satisfeito com os resultados. “Com um percurso tão rolante, favorável aos roladores e puros contrarrelogistas, colocar dois corredores nos cinco primeiros e um dentro dos dez é um resultado muito bom. Não era fácil fazer melhor com as caraterísticas dos nossos corredores”, considera José Poeira.

A luta pela medalha de ouro foi emocionante e surpreendente. O campeão mundial e grande favorito, até por estar a correr em casa, Filippo Ganna, parecia ter a prova dominada, depois de estabelecer o melhor registo no ponto intermédio. Só que uma ponta final muito mais forte de Stefan Küng valeu a revalidação do título ao suíço, 7,7 segundos mais rápido do que o italiano. O terceiro foi o belga Remco Evenepoel, a 14,56 segundos do vencedor.

Portugal esteve também representado no contrarrelógio de sub-23, prova disputada no mesmo percurso da de elite. Fábio Fernandes registou 29m48s, ficando na 44.ª posição. Gastou mais 4’12’’85 do que o vencedor, o dinamarquês Johan Price Pejtersen. O segundo classificado foi o norueguês Søren Wærenskjold, a 33,68 segundos. O neerlandês Daan Hoole fechou o pódio, a 34,47 segundos. “Senti-me muito abafado. Notei claramente a falta de ritmo competitivo”, resumiu o campeão nacional sub-23 da especialidade.

propedalar.com @ 10-9-2021 09:21:00


Clique aqui para ver mais sobre: Ciclismo, Desporto, Competições e Classificações