Sinais positivos dos portugueses em dia dominado pelos italianos

Os cinco corredores que hoje representaram Portugal no Campeonato do Mundo de Paraciclismo, no Circuito Estoril, Cascais, tiveram desempenhos que o selecionador nacional, José Marques, considera como sinais positivos para o futuro. Luís Costa, oitavo no contrarrelógio da classe H5, foi o melhor. Em termos gerais, destaque para o desempenho dos italianos, que hoje conquistaram sete títulos mundiais.

propedalar.com @ 11-6-2021 20:04:05

Luca Mazzone

Luca Mazzone

Luís Costa foi o primeiro português a correr e foi também aquele que logrou um melhor resultado final, completando os 25,2 quilómetros do contrarrelógio de classe H5 em 40m21s, o que lhe valeu a oitava posição, a 4m20s do holandês Mitch Valize, que conquistou o título mundial uma semana depois de sagrar-se campeão da Europa.

“Em termos de performance consegui ter o rendimento que estava à espera, numa corrida que não me favorece tanto como a prova de fundo. O lugar que acabo por alcançar está dentro das expectativas que tinha à partida”, confessou o paraciclista. O selecionador nacional, José Marques, corroborou as palavras do atleta, juntando mais um dado: “Fez o possível, ficando muito perto do quinto e do sexto classificados. É sinal de que está a melhorar a sua condição física. O objetivo são os Jogos Paralímpicos e esperemos que o Luís lá chegue bastante melhor do que está agora”.

Portugal teve três paraciclistas no contrarrelógio de classe H4, também com 25,2 quilómetros. No entanto, só um terminaria a prova entre os 15 classificados no final da prova. Carlos Neves desistiu, na sequência de um capotamento. Rúben Garcia cortou a meta ao fim de 48m12s de esforço, mas foi reclassificado como H3 (grau menor de funcionalidade) e irá competir na nova classe na prova de fundo. Foi Flávio Pacheco terminou no 15.º posto, a 6m07s do vencedor, o holandês Jetze Plat, que revalidou o título com um registo de 35m27s.

“Cumpri as expectativas pessoais, numa especialidade que não é a minha. Vi agora o resultado e até fiz melhor do que esperava. Embora sendo pouco para a minha classe, estou satisfeito. A prova em linha favorece-me mais, porque o circuito é sinuoso, com algumas dificuldades e poucas partes rolantes, o que não favorece os atletas mais possantes da minha classe. Na prova em linha espero ficar no top 10”, afirmou Flávio Pacheco após o final da corrida.


João Pinto estreou-se em Campeonatos do Mundo com o 24.º posto no contrarrelógio de classe H3, cobrindo os 25,2 quilómetros em 43m20s, mais 5m21s do que o italiano Paolo Cecchetto, vencedor com 37m59s. “Foi um dia normal para a nossa equipa, tirando o percalço do Carlos Neves. O Flávio, o Rúben e o João cumpriram, e o Luís deu boas indicações”, resume José Marques.

Num dia com 14 títulos mundiais atribuídos, Itália arrebatou sete camisolas arco-íris. Os Países Baixos também tiveram uma jornada prolífica, somando cinco medalhas de ouro. Os restantes títulos foram conquistados pelo Canadá e pela Alemanha.

Ao fim de três dias de competição, Itália soma oito títulos mundiais, os Países Baixos têm cinco e a Grã-Bretanha já venceu quatro medalhas de ouro. No conjunto de todas as medalhas, já há 19 países que subiram ao pódio.

As provas de fundo começam neste sábado. Entre as 10h00 e as 12h15 realizam-se as corridas de classe B (tamdem), com participação da dupla Ana Silva/Isabel Caetano na competição feminina, de 100,8 quilómetros. O período vespertino está guardado para as corridas das diferentes classes da categoria C. Às 13h30 iniciam-se as corridas das classes C4 e C5, com 92,4 quilómetros. Portugal contará com João Monteiro (C4), Hélder Maximino e Manuel Ferreira (C5). Os 67,2 quilómetros das corridas C1, C2 e C3 fecham o programa, com partida às 16h30. Estarão em liça o C1 Bernardo Vieira, o C2 Telmo Pinão e o C3 Paulo Teixeira.

propedalar.com @ 11-6-2021 20:04:05


Clique aqui para ver mais sobre: Ciclismo, Desporto, Competições e Classificações